A curiosa história da “Maria Mofo”

Em 1929, o médico inglês Alexander Fleming descobriu a penicilina, obtida a partir de extratos do fungo Penicillium notatum. Essa droga foi o primeiro antibiótico utilizado pelos seres humanos.

O P. notatum, no entanto, produzia pouca quantidade (cerca de 2 µg/mL de cultura) da penicilina, o que incentivou muitos pesquisadores a buscarem outras espécies de fungos que a produzissem em maior quantidade. Isso possibilitaria uma produção em escala industrial dessa substância, capaz de atender ao crescente número de pacientes infecções, vindos, principalmente, dos campos de batalha da Segunda Guerra Mundial.

Em 1941, o médico norte-americano, Keneth Raper incumbiu sua assistente, Maria, de procurar, em todos os mercados possíveis, diferentes tipos de frutos que, ao embolorar, pudessem conter novas espécies de Penicillium. Foi uma feliz intuição, pois ela (depois apelidada de “Maria Mofo”), após coletar grande número de amostras, encontrou um melão podre, coberto por um bolor dourado, do qual foi isolado a espécie Penicillium chrysogenum (chryso = dourado). Em cultura, essa espécie produzia cerca de 100 vezes mais penicilina do que o P. notatum, de Fleming.

 

 

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s