As formigas cultivadoras de fungos

No Brasil existem dois grupos de formigas cortadeiras – assim chamadas por terem o hábito de cortar pequenos pedaços de folhas e outras partes das plantas e levá-los para o interior do formigueiro. São eles: as saúvas (gênero Atta) e as quenquéns (gênero Acromyrmex). Quem vê essas formigas, tão ativas, carregando sem parar todos os pedaços de matéria vegetal que podem encontrar, é levado a supor que elas o fazem para mais tarde consumir, no “sossego” de seu formigueiro, toda aquela comida. Mas não é bem assim.

A verdade é que as formigas cortadeiras são os “agricultores” mais antigos do mundo. A maior parte da biomassa de material vegetal é utilizada por essas formigas para cultivar, em “jardins” subterrâneos escondidos no interior do formigueiro, um fungo da espécie Leucoagaricus gongylophorus, como o qual as formigas mantêm uma delicada relação de mutualismo. Enquanto cabe a elas a tarefa de sair e trazer para o formigueiro os pedaços de planta que servirão de substrato para o crescimento do fungo, este “cede” parte de suas hifas para a alimentação das formigas. Estas hifas, aliás, são o único alimento disponível para a rainha e as larvas, pois elas, de certa forma, vivem “aprisionadas” no interior do formigueiro.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Os pesquisadores acreditam que a relação simbiótica entre as formigas cortadeiras e esse tipo de fungo foi se desenvolvendo ao longo dos últimos 50 milhões de anos. Alguns cientistas afirmam que, de início, a relação teria se desenvolvido com alguma espécie de fungo saprofítico, isto é, de vida livre no solo, dedicado à decomposição de matéria orgânica de origem vegetal ou animal. Outros defendem a ideia de que a espécie ancestral do fungo já vivia no solo em associação com as raízes de certas plantas.

Seja como for, o fato é que a interdependência entre as formigas cortadeiras e o fungo tornou-se tão grande que essas formigas não são mais capazes de produzir todas as enzimas digestivas de que necessitam: parte delas são, obrigatoriamente, fornecidas pelo fungo, assim como determinados tipos de nutrientes por ele sintetizados.

Já o fungo não tem de que se queixar. Embora tenha suas hifas continuamente “podadas” pelas formigas, o que o impede de crescer independentemente, ele é muito bem cuidado por esses animais. As formigas providenciam um ambiente adequado para o seu crescimento, removendo contaminantes (como esporos de outras espécies de fungos, que poderiam competir com o fungo cultivado) e secretando substâncias antibióticas (para eliminar bactérias indesejáveis, que também competiriam com o fungo). Além disso, tratam de adubar continuamente os “canteiros” com suas fezes, e transplantam o fungo para “jardins” novos, com matéria vegetal fresca, sempre que necessário. Um verdadeiro serviço de “agricultura” ou “jardineiro”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s