As experiências de Pasteur

É bem conhecido o fato de que os líquidos que contêm substâncias orgânicas, como um caldo de carne, deterioram com facilidade, porque neles se desenvolvem rapidamente bolores e bactérias da decomposição. Na época de Pasteur, o aparecimento dos microrganismos era creditado, já dissemos, à geração espontânea. Coube a Pasteur demonstrar que as bactérias que decompõem o líquido provêm do ar, não brotando do líquido espontaneamente.

Pasteur realizou uma série de experiências, entre as quais o famoso experimento do frasco com “pescoço de cisne”. Pasteur colocou vários líquidos em alguns frascos de vidro: suspensão de levedura de cerveja em água; suspensão de lêvedo em água e açúcar; urina; suco de beterraba. O gargalo dos frascos foi aquecido e puxado até ficar com várias curvinhas. Em seguida, os líquidos foram fervidos durante vários minutos, saindo os vapores pela abertura de cada gargalo.

Após esfriar os frascos, os líquidos se mantinham sem mudanças por um tempo indeterminado. Apesar de os líquidos estarem em contato com o ar, Pasteur entendeu que, quando eles são fervidos, o vapor expulsa o ar através do orifício do pescoço do balão; interrompendo-se o aquecimento, o ar carregado de poeira e microrganismos penetra no frasco. No entanto, com a temperatura interna ainda alta, os germes não sobrevivem. À medida que a temperatura abaixa, o ar continua penetrando, porém com mais lentidão, deixando a poeira e os germes presos nas curvaturas úmidas do pescoço, que funciona então como um filtro de ar. Dessa forma, Pasteur estava demonstrando que os líquidos nutritivos não geravam vida, mas que a vida, isto sem, provinha de fora.

Nessa altura, alguns dos opositores de Pasteur alegaram que, devido à fervura, o líquido havia perdido a capacidade de gerar vida. Pasteur respondeu por meio de uma experiência simples e conclusiva. Vejamos o que ele disse: “[…] depois de um ou vários meses no incubador, o pescoço do frasco foi removido por um golpe dado de tal modo que nada, a não ser as ferramentas, o tocasse, e, depois de 24, 36 ou 48 horas, bolores se tornaram visíveis, exatamente como no frasco aberto, ou como se o frasco tivesse sido inoculado com poeira do ar”.

Pasteur demonstrou, dessa forma, que a fervura não havia modificado as propriedades do líquido, que continuava capaz de abrigar vida.

One response to “As experiências de Pasteur

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s