Astronautas simulam viagem a Marte em deserto marroquino

Terminou nesta quinta-feira, 28/02/13, uma missão que isolou astronautas e técnicos, na maioria austríacos, no deserto de Merzuga, no sudeste de Marrocos. A experiência, que teve o apoio do governo marroquino e colaboração da Nasa, durou pouco menos de um mês e teve como objetivo imitar ao máximo as condições para exploração humana em Marte.

Durante a experiência, o grupo montou acampamento e treinou a troca de roupa convencional e uniformes espaciais, usados para conduzir veículos robóticos desenvolvidos para suportar as condições de pressão no planeta. Também utilizaram as roupas especiais para simular explorações de terreno, em treinos de mais de três horas. A experiência mostrou a enorme pressão física e psicológica que é sofrida dentro destes trajes espaciais, além da limitação de movimentos que ela representa para o astronauta.

A missão foi organizada e dirigida pelo Fórum Austríaco do Espaço (OEWF). De acordo com o diretor do OEWF, o cientista Gernot Grömer, o objetivo da missão é saber como se pode fazer uma boa exploração em Marte – testar os aparelhos existentes, ver as possíveis falhas e pensar nos instrumentos e capacidades necessários. “Foi uma das maiores e mais complexas missões já realizadas”, comemorou.

Astronauta

Experiência — Os cinco astronautas da missão receberam treinamento físico e psicológicos prévios. Também participaram das atividades um técnico em telecomunicações, um médico e mecânicos. Todos permaneceram em uma superfície de oito quilômetros quadrados, isolados das dunas do deserto pela Gendarmaria Real marroquina. Para imitar as dificuldades da missão, a tripulação recebeia os sinais acústicos 26 minutos depois da sua emissão, um atraso artificial feito para reproduzir as condições reais impostas pela distância entre a Terra e Marte.

Marrocos foi escolhido para o experimento porque, além de possuir características topográficas parecidas com os desertos marcianos, forneceu condições de segurança às equipes — o que excluiu os desertos da Líbia, por exemplo. O deserto de Merzuga está situado a 8.000 metros acima do nível do mar, com dunas de areia fina e alterações de superfícies planas e rochosas, similares ao que se conhece de Marte.

Todos os dados recolhidos nesta simulação serão analisados na base da OEWF na cidade de Innsbruck, na Áustria. Paralelamente à missão de Marrocos, que conta também com a coordenação do centro marroquino Ibn Battuta, o centro austríaco OEWF realizou uma simulação parecida em Utah, no oeste dos Estados Unidos.

Apesar de todos os esforços, uma viagem real ao planeta, segundo Grömer, está prevista para daqui a duas ou três décadas. Os resultados deste trabalho, no entanto, poderão ser utilizados como base para os próximos treinamentos, de acordo com a evolução e sofisticação dos equipamentos que, de fato, deverão ser usados em Marte.

Fonte: veja.abril.com.br

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s